11 de dez de 2012

Consequências de nossos atos

     A humanidade tem passado por diversas transformações e, junto a elas, ocorrem significativas modificações sobre o espaço em que vivem. Com base nesta afirmativa é possível definir uma cidade, como o resultado das ações de uma sociedade sobre um determinado território. Tais ações trazem junto aos benefícios desejados (desenvolvimento, acúmulo de riquezas, facilidades, dentre outros), problemas à natureza como também à própria cidade e, consequentemente, à sociedade.
     Entre os problemas socioambientais encontrados nas cidades, principalmente de médio e grande porte, podemos citar: o surgimento de microclimas e ilhas de calor, poluições, retirada da vegetação, ocupação em áreas de risco, perda da capacidade da infiltração e, consequentemente, da recarga hídrica, dentre outros.                                              
     Em relação à poluição atmosférica, gerada pelas indústrias e veículos motorizados, traz uma séria ameaça à saúde dos habitantes, proporcionando a estes doenças respiratórias, alérgicas, cardiopatias e stress. Já os esgotos e efluentes industriais, poluem rios, lagos e aquíferos, causando danos à fauna e à flora, onde se inclui o próprio homem.
     Outro grande problema socioambiental vivido em áreas urbanas é a questão do lixo. Isto se da por diversos fatores, entre estes está o destino dado ao lixo, tanto pela população quanto pelo poder público. Além destes, problemas referentes à moradia, saneamento básico, resíduos sólidos, violência, educação, entre outros, tornam-se grandes entreves para a qualidade de vida em ambientes urbanos.
Fonte: www.google.com.br/imagens  
       Algumas pessoas ao reclamarem que quando chove alaga tudo, que entra água contaminada e com lixo em suas casas estragando os móveis, que o trânsito não flui, que os bueiros estão todos entupidos, entre outros, acabam colocam a culpa em qualquer coisa ou pessoa (no tempo, poder público, no vizinho), porém muitas destas pessoas não se dão conta que fazem parte desse contexto e que isso nada mais é do que uma das consequências de nossos atos, sem se darem conta que, muitas vezes, atitudes simples partindo delas mesmo como não jogar lixo no chão, por mais insignificativo que pareça, e fazer a destinação do lixo corretamente contribuiria para que alguns desses problemas fosse evitados.
           Oliveira (2011) ressalta que a literatura tem indicado que, de maneira geral, as áreas de periferia e os problemas ambientais estão relacionados ao mau planejamento do processo de urbanização, o qual segue uma lógica predatória, como parte do modelo de desenvolvimento em que nossa sociedade está se balizando. Portanto, ao pensarmos na problemática ambiental urbana como um problema da cidade, temos que refletir sobre ela como um problema oriundo da nossa sociedade, na qual os direitos de cidadania não são minimamente garantidos, muito menos o direito ao ambiente ecologicamente equilibrado.
      Lima e Roncaglio (2001) contribuem sobre essa temática ao pontuarem que ao observarmos a qualidade ambiental das principais cidades brasileiras comprovamos que, além das consequências da pobreza se confundirem com as consequências da degradação ambiental urbana, são agravadas pela fragilidade de condições para o exercício da cidadania. Assim é imprescindível assinalar, que parte dos problemas destacados tem origem na falta de acesso da população à educação básica e ambiental e a permanente contradição verificada entre a legislação de uso e ocupação do solo urbano e os interesses vinculados à especulação imobiliária, entre outras, as quais refletem as desigualdades econômicas e sociais da sociedade brasileira. 
      Para finalizar, cabe enfatizar que ao utilizarmos o termo socioambiental significa, por sua vez, a constatação de que não se pode conceber ambiente e/ou natureza isoladamente, independente e indiferente à ação humana. Deste modo ao transformar e/ou degradar o ambiente em que vivemos, não importa a “desculpa utilizada”, não estamos só atingindo e destruindo a natureza e sim a nós mesmo.

Sugestões de vídeo:

                                         

Referências Bibliográficas 

LIMA, M. Del V., RONCAGLIO, C. Degradação socioambiental urbana, políticas públicas e cidadania. Desenvolvimento e Meio Ambiente, n. 3, p. 53-63, jan./jun. 2001. Editora da UFPR. 

OLIVEIRA, S. M. de,. OLIVEIRA, H. T. de,. Atuação de Organizações da Sociedade Civil nas Questões Socioambientais Urbanas: Aproximações com o Campo da Educação Ambiental para o Desenvolvimento de Sociedades Sustentáveis. VI Encontro “Pesquisa em Educação Ambiental” - A Pesquisa em Educação Ambiental e a Pós-Graduação no Brasil. Ribeirão Preto. Setembro de 2011.

Postado por: Patrícia Ziani

Nenhum comentário:

Postar um comentário